Foto: Divulgação CNI

A sondagem da indústria da construção realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) no mês de março aponta a falta de insumos ou o alto valor da matérias-primas como um dos principais problemas enfrentados pela indústria no trimestre.

Segundo o relatório, o percentual de empresas que enfrentam o problema subiu de 50,8% no quarto trimestre de 2020 para 57,1% no primeiro trimestre de 2021, um avanço de 6,3 pontos percentuais. A elevada carga tributária aparece em segundo lugar no ranking, com 24,7% das menções. A demanda interna insuficiente aparece em terceiro lugar, enfrentada por 22,4% das empresas, seguida pela burocracia excessiva, na quarta posição, citada por 21,5% dos empresários consultados e na quinta colocação, a inadimplência registra 19,0% das menções.

Já o Índice de Confiança do Empresário Industrial da Indústria da Construção (ICEI-Construção) registrou, em abril, queda de 1,2 ponto em relação a março, para 51,0 pontos. O Índice de Condições Atuais, que havia sido de 43,8 pontos em março, recuou em abril, ficando 41,3 pontos, próximo ao patamar de agosto de 2020.

As expectativas apresentam estabilidade em comparação ao mês de março, sendo registrada queda pouco expressiva dos indicadores, que apresentaram variação mensal inferior a um ponto. Os dados da sondagem ressaltam que na comparação com o mesmo período de 2020, nota-se uma forte recomposição, uma vez que em abril de 2020 as expectativas eram fortemente abaladas pelo período mais crítico da pandemia à época.

*Fonte: Sondagem da Indústria da Construção, indicadores econômicos da CNI.