Imprescindíveis em atividades que ofereçam riscos, os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) garantem segurança e proteção aos trabalhadores e recebem regulamentação através da NR-6. Na construção civil são de uso obrigatório, sendo responsabilidade do empregador disponibilizar os itens assim como orientar e fiscalizar a correta utilização. Capacetes de segurança, protetores auriculares, botinas, luvas e óculos de segurança, máscara são alguns equipamentos primordiais nos canteiros de obras e em diversas atividades profissionais. 

Saúde e segurança do trabalho também estão relacionados com gestão eficiente da obra, garantindo cumprimento do cronograma, evitando afastamento de trabalhadores

O segmento ganhou novos enfoques com a evolução da pandemia e tem perspectivas positivas, com uma nova tomada de consciência nas atividades. “Trata-se de uma linha que ganhou destaque e importância, que já está refletindo não apenas no que tange à proteção por causa da pandemia, mas como diretriz e ponto de alerta constante das pessoas para desempenhar qualquer atividade com segurança e proteção, o que é primordial em tudo o que fazemos. Esperamos que seja uma preocupação e conscientização que veio para ficar”, afirma a gerente de marketing do Grupo OVD Elisângela Durães.

O gerente de marketing da Marluvas, Danilo Oliveira destaca que o Mercado de EPIs aponta para a manutenção dos números, sustentados principalmente pela indústria primária, de transformação, agro e construção civil, como destaque. Segundo dados do Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), em março, a indústria da construção brasileira abriu 25.020 empregos em março, acumulando no primeiro trimestre 113.312 novos postos de trabalho formais, sendo que de abril de 2020 a março de 2021, a construção abriu 177.928 novos empregos, um aumento de 8,05%.

O consultor de Produto da Stihl, Huesle Sarmento, ressalta que a evidencia do tema, o processo de segurança dos usuários durante atividades que apresentam riscos também prevê a conscientização dos profissionais, que compreendem cada vez mais a importância da utilização dos EPIs. “Desta forma, o cenário apresenta grandes oportunidades para ampliar este trabalho de disseminação da informação acerca do tema.”, afirma. 

Segundo Sarmento, a função dos EPIs é cuidar da saúde e do bem-estar dos usuários. “O uso de EPIs resguarda o operador não somente de riscos da sua ferramenta, mas também do trabalho de colegas que podem estar nos arredores”, afirma.

O gerente de marketing da Marluvas, Danilo Oliveira também ressalta o papel fundamental do EPI na proteção dos trabalhadores. “Se há um legado positivo que a pandemia tem deixado, ele é a exaltação dos Equipamentos de Proteção Individual, até então relegados ao campo das exigências e processos exaustivos de conscientização”, explana.

Atualmente, a propagação do novo coronavírus (Covid-19) tornou a necessidade do uso correto dos equipamentos de proteção evidente e a forma mais eficiente de combate a disseminação do vírus, tornando a máscara de proteção um item do dia a dia. “No cenário atual, o EPI passa finalmente a ser uma preocupação diária e quase ‘natural’ entre todos. Além disso os protocolos de distanciamento, de proteção individual e coletiva assumem um protagonismo visando a manutenção da atividade objetivando a preservação da saúde integral da força de trabalho”, declara Oliveira.

Além da prevenção ao novo coronavírus (Covid-19), os EPIs são fundamentais em diferentes atividades profissionais, tanto na indústria como na construção. “Quando se fala em construção civil, os EPIs sempre fizeram parte da rotina do profissional, com um conjunto de equipamentos para cada função desempenhada, como trabalhos com risco de corte ou queda, por exemplo”, afirma Elisângela

PREOCUPAÇÃO COM A SEGURANÇA DO USUÁRIO NORTEIAM A INDÚSTRIA DE EPIS

O uso correto dos EPIs pode minimizar riscos de acidentes de trabalho, garantir a segurança e proteção do usuário, sendo uma responsabilidade da cadeia da construção e regulado por meio da Norma Regulamentadora.

A realização de testes e ensaios nos equipamentos de proteção atestam a qualidade, proteção ao usuário e fatores como ergonomia e conforto. 

A gerente de marketing do Grupo OVD, Elisângela Durães destaca que os testes, ensaios da linha de EPIs são realizados em laboratório próprio, envolvendo desde o desenvolvimento dos produtos até a inspeção por amostragem dos lotes produzidos, para garantir o padrão de qualidade presente na linha. 

“Na linha de EPIs, os testes englobam a análise da estrutura e composição química da matéria-prima, aferições de resistência e ergonomia do produto e verificação das especificações técnicas, além da ação do tempo, fundamental para maior vida útil e durabilidade. Também um trabalho constante para atender todas as exigências e normas da linha, como requisito fundamental para sua comercialização, conforme legislação vigente”, pontua Elisângela. 

Para Sarmento, a constante análise de mercado por meio de pesquisas, permite a identificação de oportunidades de melhorias e necessidades de atualização dos EPIs. A Stihl também recebe de seus clientes, opiniões e sugestões que possibilitam o mapeamento das necessidades quanto a utilização dos produtos. “Desta forma, a Stihl desenvolve os produtos com base nas normas ABNT, NBR e ISO, além de os equipamentos receberem o Certificado de Aprovação do Ministério do Trabalho”, afirma.

Segundo Oliveira, o principal quesito no processo tecnológico dos produtos está na preocupação com a segurança do cliente alinhada a equipe técnica, um laboratório completo e um gesto de produto. “O somatório desses quesitos tem um poder transformador e inovador. Todos os anos, repassamos todo nosso portfólio e estamos sempre atentos às maiores inovações tecnológicas do mundo do EPI”, ressalta.

Confira alguns destaques do segmento:

Divulgação Marluvas

Marluvas
A Marluvas é o fabricante de calçados profissionais. Entre os diversos produtos, um destaque é a linha de calçados em PVC. A Linha Vulcaflex PVC, com um apelo mais econômico, como a Linha AllWork, configurando como o melhor custo benefício nas linhas de PVC. O calçado conta uma certificação para trabalhos com eletricidade segundo a norma NBR ISO 20347:2015 / BSEN 50321:2000/ Classificação II, além de design e conforto.  Há diversas variações da linha em altura de cano, cores, forração, entre outras opções de proteções adicionais.

Divulgação Stihl

Stihl
A Bota de Segurança Worker STIHL proporciona conforto e proteção aos usuários de ferramentas motorizadas portáteis, especialmente a motosserra. Indicada para usuários ocasionais e profissionais, a bota possui biqueira em polipropileno rígido, solado duplo de poliuretano, com desenho antiderrapante, canais de escoamento e amortecimento de impactos. Possui fechamento em cadarço, corpo em couro hidrofugado e forro em tecido antibactericida.

Vonder
A linha de EPIs da Vonder ganha um incremento com os novos EPIs dedicados aos trabalhos em altura. São modelos de talabartes, trava-quedas, cinturões de segurança tipo paraquedista e conjuntos de segurança, todos certificados. Os itens devem ser utilizados em conformidade com as Normas Regulamentadoras vigentes, proporcionando máxima resistência e proteção contra riscos de quedas em trabalhos em altura. Os trabalhos em altura também exigem outros EPIs, como capacete com jugular, óculos, luvas e calçados de segurança. 

Outro destaque da linha de Segurança da Vonder são as Luvas de Proteção, com destaque para as Luvas de Poliéster com Poliuretano Vonder, disponíveis nas cores branca ou preta. 

site_Revista_EPIs_Vonder
Divulgação Vonder
Divulgação Vonder